Governo x Polícia Federal: quem tem carne fraca?

Ricardo Noblat

Entre ministros do governo que cercam o presidente Michel Temer, o mínimo que se ouve é que a Polícia Federal deu um tiro no pé.

No próprio pé, mas que de tão poderoso produziu grave estrago na imagem do país aqui dentro e principalmente lá fora.

A imagem de boa qualidade da carne brasileira foi posta em xeque. Levará anos para se recuperar.

Por ora, o governo não dá bola para teorias conspiratórias que circulam a respeito nas redes sociais, mas não só – também entre políticos.

A mais insistente delas sugere que a Polícia Federal e o Ministério Público agiram a serviço de interesses internacionais inconformados com a posição do Brasil no ranking dos maiores exportadores de carne do mundo.

Nada provável. Soa a absurdo. O entendimento que prevalece no governo é o de que a Polícia Federal e o Ministério Público, embalados pelo sucesso da Operação Lava Jato, limitaram-se a aplicar na Carne Fraca os mesmos métodos de investigação que até aqui haviam dado certo.

Não só de investigação, mas também de comunicação posterior com o público.

A Carne Fraca foi deflagrada no dia em que a Lava Jato completava três anos de êxitos.

A Polícia Federal tratou a operação como a maior de sua história.

Exagerou.

Valeu-se de mais de mil agentes para fazer sete prisões e recolher material nas empresas alvos da ação. Escalou um delegado inexperiente para explica-la depois aos jornalistas.

O erro mais sério teria sido o de não socorrer-se de especialistas em saúde sanitária para evitar disparates do tipo “papelão misturado à carne” ou de ácido impróprio usado para conservar ou conferir melhor aparência às peças de carne para venda.

De resto, as conclusões tiradas o foram a partir de apenas dois laudos periciais. Pouca coisa por enquanto.

Blairo Maggi, Ministro da Agricultura, foi escolhido para defender a indústria de carne e bater de frente na Polícia Federal, tarefas que desempenhou a contento até ontem quando exorbitou.

Ao comentar a decisão do governo do Chile de suspender as importações de carne brasileira, ameaçou retaliar os produtos daquele país consumidos por aqui.

Pior: Blairo disse contar para isso com o apoio do presidente da República. Bazófia, certamente.

Primeiro porque tal disposição não combina com o estilo ameno e negociador de Temer. Segundo porque não foi só o Chile que impôs restrições à importação de carne brasileira, mas também a China e países da Comunidade Econômica Europeia.

A propósito: pelo menos até ontem à noite, os países que compram carne ao Brasil pesaram pouco a mão ao reagirem às descobertas da Polícia Federal.

Não porque sejam bonzinhos ou descuidados. Devem estar avaliando as providências tomadas pelo governo brasileiro para enfrentar o problema e mais revelações que a Polícia Federal possa oferecer.

A prudência de Temer manda que ele e seus ministros evitem um confronto aberto com a Polícia Federal e o Ministério Público.

Os dois são bem avaliados pelos brasileiros e guardam segredos que poderão atingir ainda mais políticos próximos de Temer.

Um já foi atingido por um disparo de advertência: Osmar Serraglio (PMDB-PR), Ministro da Justiça.

Doravante Serraglio terá como um dos órgãos subordinados ao seu ministério uma Polícia Federal com munição suficiente para causar-lhe sérios danos.

Ligado à bancada ruralista no Congresso, Serraglio foi pego chamando um dos presos da Carne Fraca de “grande chefe” e interferindo a favor de um frigorífico do Paraná sujeito a fiscalização.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s