Ceará já anuncia a instalação da fábrica que viria para o RN, em parceria com os chineses

Circulam na imprensa do Ceará informações que preocupam o futuro econômico do nosso estado.

Irá mesmo para o Ceará a tão propalada fábrica de Painéis solares fotovoltaico, anunciada pelo governo do RN, após recente viagem à China, que seria instalada no Estado, como uma das âncoras do Parque Tecnológico do Estado, o Potiparky (também divulgado).

O Diário do Nordeste, que circula em Fortaleza divulga o contrário.

“A partir do segundo semestre deste ano, entrará em operação a primeira fábrica de painéis fotovoltaicos do Estado do Ceará.

 O início da fabricação de placas e equipamentos terá inicio no fim de agosto ou início de setembro.

O empreendimento, orçado em R$ 150 milhões, é fruto de uma parceria entre com os chineses”.

A unidade fabril cearense  atenderá à demanda do mercado interno, sobretudo, parte de parques solares.

E a expectativa é que, até o fim deste ano, durante quatro meses de produção, a empresa fature aproximadamente R$ 90 milhões.

E mais.

Os cearenses já planejam construir outra unidade fabril, voltada para o mercado externo.

Para isso anunciam que já reivindicam ao governo federal a instalação em seu território de uma área de livre comércio (ZPE), com previsão de implantação em 2018 (ver no Diário do Nordeste).

O governo do Ceará conta com o apoio da empresa alemã, que recentemente ganhou a concorrência para exploração do aeroporto de Fortaleza.

Os alemães defendem (o que o editor desse blog defende há mais de 20 anos para instalção no RN) uma área de livre comércio (ou ZPE), ao lado do aeroporto de Fortaleza.

Por enquanto, o governo do RN não confirma ainda, que tenha perdido a “parada” para o Ceará.

Persiste silêncio em torno do assunto.

Talvez, para tentar reverter o quadro adverso aos interesses do estado, o que seria bom.

O editor do blog registra com pesar essa notícia.

Não foi por falta de alerta, que o RN está na iminência de reconfirmar o “karma” de ser o estado do já teve.

Essa realidade vem de governos anteriores (desde 2006).

O Ceará ousa. Sonha. Dá impressão de ser lunático. Inova. Sai do “feijão com arroz”. Por isso tem avançado.

Encarna o empreendedorismo do século XXI.

Deus queira que nesse caso da fábrica de Painéis solares, em associação com os chineses, nada se confirme e o RN não volte a ser o grande perdedor.

O mais grave de tudo é que o RN poderá perder definitivamente  a chance de implantar na “Grande Natal”, uma área de livre comércio.

A nossa vocação econômica inegável e cristalina é de ser um polo exportador avançado nas Américas, inclusive ativando o comércio com o Canal do Panamá, que permitiria o acesso a países integrados na Aliança do Pacífico (envolve mais de 300 milhões de consumidores potenciais), em fase de consolidação.

Só não enxerga quem não tenha visão global de futuro.

A posição geográfica privilegiada do Estado (o mais próximo nas Américas da Europa e África) tem sido reconhecida, desde a construção do Forte dos Reis Magos no século XVI (para evitar a invasão dos franceses), até a escolha de Parnamirim como Trampolim da Vitória, no século XX (para deter o avanço de Hitler).

No século XXI, a área de livre comércio (ZPE) seria a vez  do aproveitamento econômico desse posicionamento geográfico estratégico, através da implantação em nosso território de um polo exportador e turístico, sem dúvida o mais abrangente e promissor da América Latina.

O governo federal teria que ser convencido, com estudos e dados incontestáveis, de que essa proposta contribuiria para o avanço do comércio exterior e aumento das divisas, contribuindo para a estabilidade da economia nacional, num momento de crise como vivemos.

Roraima em 2008 conseguiu a única área de livre comércio do país, até hoje (ver abaixo foto do ato de criação).

O argumento à época foi de que se tratava da maior fronteira terrestre do Brasil.

O “Grande Natal”, no RN,  é a mais extensa fronteira aérea e marítima da América Latina, em relação a Europa e Africa.

Com muito maior razão se justificaria, portanto,  a instalação em nosso estado de uma ALC.

O editor do blog, à época deputado federal,  alertou, alardeou, pressionou, fez essa reivindicação inúmeras vezes na tribuna do  Congresso Nacional (tem livros publicados e os Anais congressuais).

Buscou governos, auxiliares (secretários da área), municípios, federações empresariais e várias outras instituições.

Nada conseguiu, certamente para evitar o crédito político de ter contribuído com um avanço dessa dimensão, favorecendo o futuro do estado.

Desprezo e apatia pela proposta, até hoje.

Resultado: os cearenses preparam-se para implantá-la em 2018 e impulsionar a sua economia.

Uma ALC no RN, ao lado do aeroporto de São Gonçalo do Amarante,  significaria  milhares de empregos e novas oportunidades, além de ser uma conquista pública impessoal e não apenas voltada para interesses pré-definidos, como é tradição.

O editor do blog, certamente,  continuará sendo jocosamente apelidado de “sonhador”, “dono da verdade”, ou “lunático”,  ao defender justamente as teses econômicas que os cearenses aceitam,  sobretudo a área de livre comércio e por isto passam a nossa frente,

Fazer o que?……..

Nada.

Infelizmente!

Presidente Lula cumprimenta o líder do governo no Senado, Romero Jucá, após a criação em 2008 da primeira e única no país (até hoje) Área de Livre Comércio, localizada em Boa Vista (RR)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s