Ney Lopes publica artigo em Brasília sobre a responsabilidade de políticos e empresas na atual crise

Ney Lopes, editor do blog, publica hoje, 22, artigo no qual analisa a responsabilidade de políticos e empresas, na atual crise de corrupção do país.

Leia também na íntegra, acessando:

http://zip.net/bjtJVR

Observando a realidade nacional colocam-se algumas análises, que levam a certas constatações.

Seriam os políticos corrompidos, os únicos responsáveis pela devastação moral, que atingiu o país?

Ou, os empresários corruptores têm parcela idêntica de responsabilidade, nesse contexto macabro?

Com certeza será difícil estabelecer o grau de culpa, maior ou menor, de uns e de outros.

Mas, uma coisa é certa: até hoje prevaleceram dois pesos e duas medidas.

Acerca da classe política, desnecessários maiores comentários.

O massacre é generalizado, repetitivo e apoiado por pessoas e entidades, que se aproveitam da oportunidade para se manifestarem contra o poder regulatório do estado e a tributação, usados como meios de fiscalização e financiamento das funções estatais, definidas na Constituição.

Não há separação do joio do trigo.

 Até em certos momentos transpira a desconfiança de que haja, subliminarmente, apelo à adoção de “regime”, à margem da democracia.

A pregação extremada do estado mínimo e o desejo radical da predominância do mercado, excluem, aparentemente, o poder regulador dos governos e se caracterizam como tentativas de expor a sociedade ao controle único da lei da oferta e da procura.

Sai-se de um extremo para outro, igualmente maléfico.

Em relação à responsabilidade pelo caos nacional, não há como hesitar na afirmação de que uma parte (não a totalidade) da empresa privada correu “solta” e usufruiu da ilegalidade e das benesses – mesmo sendo aparentemente legais – traduzidas em excessos de subsídios, juros diferenciados, desonerações, isenções e notório tráfico de influencia nos governos.

Certamente, na história republicana, nunca houve governos em que os financiamentos e “ajudas” à empresa privada, de parte da União, tenham sido tão dadivosas, amplas e abundantes, quanto nos períodos de Lula e Dilma.

As desonerações da previdência social, por exemplo, que já ultrapassaram 500 bilhões de reais, eram concedidas por decreto do executivo, sem audiência prévia do Congresso.

Para os “amigos” tudo; para os inimigos a lei.

E quais foram os “amigos”?

Alguma delação já os identificou, tornando público?

O governo ao debater a reforma da previdência, omitiu essa deformação como uma das causas do déficit da previdência.

Achou mais conveniente aceitar a acusações genéricas contra o serviço público, elegendo-o inimigo público número um.

Por acaso, houve no país movimento privado de denuncias contra as exigências de pagamento de propina, tráfico de influencias e assemelhados, da mesma forma como fazem contra os nocivos super-salários?

Quantas vezes entidades de classe protestaram contra más aplicações de dinheiro do BNDES, que beneficiavam “privilegiados” (como a JBS, Odebrecht, por exemplo)?

O BNDES e órgãos estatais de crédito já divulgaram a listagem de quem se beneficiou com financiamentos e vantagens, até com juros negativos, subsídios e incentivos, que nunca geraram um só emprego?

Silêncio geral.

E conivente.

Prevaleceu o sentimento de corporativismo, cooptação e alianças, o que é tão violentamente combatido, quando flagrado na classe política.

O resultado dessa catástrofe é que no momento, o Brasil enfrenta a maior crise política da sua história.

Não se sabe quem governará até as eleições diretas, ou, indiretas próximas.

Todavia, seja quem for, não poderá continuar a repetição do equívoco de usar dois pesos e duas medidas, quando se trata de atribuir responsabilidades, acerca da corrupção endêmica que assolou nação.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s