Conversas sobre nomes para suceder Temer são preliminares e inconclusivas

Poder 360

Há zero de ciência e quase nada de informação nos textos relatando as “negociações” (sic) sobre 1 substituto de Michel Temer no Planalto.

O que há hoje são nomes citados, conversas preliminares e esparsas. Não há negociação orgânica a respeito do tema.

Desde o começo da atual crise que há vários nomes citados. São especulações.

Em ordem alfabética: Cármen Lúcia (presidente do STF), FHC (ex-presidente da República), Gilmar Mendes (ministro do STF), Henrique Meirelles (ministro da Fazenda), Nelson Jobim (ex-ministro da Defesa e da Justiça e ex-presidente do STF), Rodrigo Maia (presidente da Câmara) e Tasso Jereissati (senador).

Há muita duvida sobre as regras que serão usadas se eventualmente Michel Temer sair da cadeira.

Uma lei determina a desincompatibilização de certos cargos públicos 6 meses antes da disputa. A ser seguida essa norma, vários nomes já mencionados no noticiário estariam inelegíveis.

EM QUE PÉ ESTÃO AS CONVERSAS?

Numa reunião qualquer, 2 políticos podem protagonizar 1 diálogo genérico. Um deles pergunta: “O que você acha do Tasso?”.

E o outro: “É, pode ser. Tem prós e contras. Mas temos de aguardar mais 1 pouco”. Esse diálogo existe sobre todos os nomes aqui citados e outros mais. Nada além disso.

A desinformação sobre como se dão essas conversas chega ao paroxismo quando diariamente são relatadas possíveis escolhas para chefiar a equipe econômica (Armínio Fraga para “comandar a agenda liberal”) ou o Ministério da Justiça (Jobim, para “dar 1 aperto na Polícia Federal”). Nada disso está sendo falado a sério.

Há muita confusão. Balões de ensaio, plantações e wishful thinking proliferam.

Eleição indireta escolhe também 1 vice

Um sinal de como são preliminares as conversas é o fato de que pouco ou nada se sabe a respeito de como seria montada uma chapa de candidatos.

Se Michel Temer deixar a cadeira, será necessário eleger (pela forma direta ou indireta) 1 novo presidente e 1 novo vice-presidente.

Em todas as disputas para cargos executivos, a vaga de vice é usada como moeda de troca na composição da chapa.

Numa eventual sucessão de Michel Temer, os partidos vão disputar as duas vagas.

No momento, não há o mínimo consenso sobre quem poderia ser o cabeça de chapa –muito menos o vice. Não existe nenhuma negociação real na praça.

É evidente que muitos dos que já foram mencionados gostariam de comandar o Planalto.

Mas entre desejo e realidade há uma enorme distância.

O QUE EXISTE DE CONCRETO ATÉ AGORA:

O Poder360 atualiza a seguir qual é a conjuntura atual (que pode, por óbvio, ser alterada a qualquer momento):

  • renúncia – a chance de Michel Temer deixar a cadeira por 1 ato de vontade continua a ser próxima de zero.
  • impeachment – os mais de 10 pedidos continuarão repousando sobre a mesa de Rodrigo Maia por muito tempo. Ninguém com QI acima de 60 em Brasília acha que é uma boa saída jogar o país num processo que duraria cerca de 6 meses.
  • chapa Dilma-Temer – o Planalto trabalha de maneira incessante para que 1 ministro do TSE peça vista. Ou, melhor ainda, para que os ministros da Justiça Eleitoral construam uma maioria pró-Planalto e absolvam o atual presidente.
  • o deputado Rodrigo Rocha Loures – esse é o fio desencapado mais grave. Ninguém sabe se Rocha Loures dará uma entrevista em breve “contando tudo” e eventualmente complicando a vida de Michel Temer. A TV Globo já estendeu 1 tapete vermelho para o deputado falar quando e como desejar. Se ele vai abrir a boca ou não é outra história.

Há algo que está sendo pouco considerado nas especulações sobre o eventual sucessor de Michel Temer.

Vários ministros de Estado correm risco na Justiça caso fiquem sem o foro privilegiado.

Tome-se o caso de Marcos Pereira (Indústria e Comércio), que comanda uma bancada de 23 deputados do PRB. Ou o de Gilberto Kassab (Comunicações), com 37 deputados do PSD. Esses 2 ministros são alvos da Lava Jato. Negam ter cometido irregularidades. Mas são investigados.

Por que o PRB e o PSD aceitariam votar (numa eleição indireta) em 1 candidato a presidente que não garanta a permanência de Pereira e Kassab nos seus cargos atuais?

Não existe essa hipótese na vida real da política.

O candidato a presidente terá de negociar laboriosamente com todos os partidos que hoje apoiam Michel Temer e têm ministros na Esplanada.

Será 1 processo complexo e de difícil execução.

Para simplificar: o possível sucessor de Temer terá de garantir que pessoas citadas na Lava Jato não serão removidas da Esplanada.

Esse grau de complexidade na negociação impede que seja acelerado o processo que poderia levar à saída de Michel Temer da cadeira.

Não há troca de governo sem sucessor minimamente definido.

O Planalto tem dito que a semana que está terminando foi melhor do que a anterior.

É uma forma de ver as coisas. A avaliação é do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, que falou ao Poder360:

Esta semana terminou melhor do que a anterior.

A semana que vem será também melhor do que esta. Votaremos mais medidas provisórias e também a reforma trabalhista em uma das comissões do Senado”.

O governo pode estar otimista. Mas nada garante uma melhora do quadro para o Planalto nos próximos dias ou semanas.

Tudo considerado, o desfecho da atual crise continua incerto e com alto grau de imprevisibilidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s