Americano lista 50 motivos pelos quais detesta e adora morar no Brasil

“O Brasil é um país cheio de beleza e de caos”.

A frase, do norte-americano Peter Wood, 29, que mora em território tupiniquim desde 2013, resume da melhor forma a lista montade por ele em que apresenta 25 motivos pelos quais odeia viver aqui, e outros 25 pelos quais ama.

Wood decidiu escrever a respeito depois de ler textos depreciativos à cultura brasileira escrito por estrangeiros.

Essa lista é muito estranha, porque foi escrita por pessoas que não se identificaram.

Minha namorada, inclusive, me mandou um artigo falando que ela poderia ser falsa.

Então, achei que poderia ser interessante compartilhar minha experiência aqui. Muitos brasileiros querem saber o que o penso. Foi uma terapia“, conta Wood.

Dos aspectos negativos citados por ele estão o sistema de trânsito mal planejado, o pouco tempo em que os jovens passam na escola e o excesso de burocracia. Na opinião do norte-americano, a pior recorrência no Brasil é a desiguldade social.

“Pode parecer clichê dizer isso, mas esse problema é muito grave.

Há uma cultura de que as pessoas não possam mudar o sistema”, diz.

Já a temperatura amena, o bom relacionamento entre as pessoas e até o açaí estão presentes na lista de aspectos positivos do Brasil.

“As pessoas são bem legais, todo mundo quer se ajudar”, avalia.

Wood é geógrafo de Davenport, cidade de Iowa.

Ele chegou a morar na Flórida, e em 2013 veio para o Brasil fazer uma pesquisa em Foz do Iguaçu, município do Paraná.

Em agosto do ano passado, ele se mudou para Belo Horizonte para cursar pós-doutorado em demografia, na UFMG.

Ele afirma que o fato de Belo Horizonte se parecer ao mesmo tempo com uma metrópole e uma cidade do interior representa os pontos positivos e negativos da cidade.

“É muito legal porque a cidade é grande, mas ao mesmo tempo, ela é pequena, como quando tem uma fila com várias pessoas, e ninguém faz nada”, diz.

Wood diz que tem vários amigos brasileiros e também uma namorada, que conheceu no Paraná.

“Ela nasceu lá, mas mora aqui em BH, e quase toda sua família é de Minas. Então, falo que ela é meio-paranaense e meio-mineira”, diz.

Confira a lista:

Pontos negativos

1. O sistema de trânsito foi mal planejado. Vira à direita e o semáforo fechou com a fila bloqueando o tráfego; as ruas muitas vezes não fazem sentido, exatamente como se uma criança tivesse desenhado tudo num mapa.

2. Os motociclistas acreditam que têm prioridade sobre todos outros. Não respeitam semáforos fechados, passam entre os carros sem cuidado, não comunicam nada. É como eles se fossem os reis da cidade.

3. Os colégios fecham cedo e até as 11h30 da manhã as ruas estão cheias de alunos. Logisticamente isso é irritante, porque muitos dos alunos são jovens e complicam o trânsito. Mas também é triste porque o nível de educação sofre por causa da falta de tempo de estudo. Também acho triste porque os alunos com famílias mais ricas conseguem estudar depois, em aulas particulares, enquanto os de famílias menos ricas trabalham ou cuidam dos irmãos.

4. O item mais comum no cardápio é, geralmente, “Infelizmente, acabou”. Se um restaurante só oferece cinco coisas, COMO QUE, NUMA SEXTA-FEIRA, NÃO TEM MAIS DE DOIS DISPONÍVEIS?!

5. A maioria de pessoas literalmente não reconhece a palavra “sexismo”. Sei que “machismo” é a palavra mais usada, mas acho muito revelador que “sexismo” seja algo que quase ninguém entende.

6. Raramente o tópico de raça é mencionado em público. Num país com tanta diversidade racial, é incrível que a conversa normalmente pare quando alguém diz: “Nossa, a situação das pessoas negras/indígenas/pardas é péssima.”

7. Não existe muita confiança em parques públicos. Chama a atenção especialmente na fronteira com Argentina. Achei um absurdo que no outro lado da fronteira todo mundo vai aos parques, mas no Brasil você precisa de gastar dinheiro para sair com amigos.

8. Quando algum recurso público não funciona ou algum problema social persiste, muitas pessoas culpam o PT sem pensar criticamente no contexto histórico ou socioeconômico.

9. Concordando com aquela lista original, é muito comum ser interrompido quando está falando. É grosso e ninguém reconhece que faz.

10. A comunidade brasileira está aberta para pessoas de fora… se vêm de Europa ou dos EUA/Canadá. Como estrangeiro, me sinto bem aceito, mas não é coincidência. Sou um norte-americano branco.

11. Quando alguém erra, falam: “Pois é, tem crise/corrupção” sem assumir responsabilidade pessoal para suas próprias ações.

12. A burocracia. Gente, posso escrever um livro sobre esse problema. Todos sabem que existe, ninguém sabe como resolver, então o povo aceita sem reclamar. Essa abordagem é mais saudável psicologicamente, mas é também super frustrante.

13. Outra coisa da lista original que parece verdade: os motoristas de ônibus são maníacos. Quando atravesso a rua, eu sinceramente acredito que eles estão me tentando matar.

14. Especialmente no Sul, as pessoas ‘se chamam’ europeias sem ter morado nenhum dia na Europa. Com ou sem orgulho, cara, você é brasileiro.

15. Se está querendo fazer planos para o final de semana, não vai dar. Porque já tem 14 festas de aniversário e vai ter que faltar mais nove.

16. Tudo atrasa. “Daqui a pouco” significa “em duas horas”. Esperar uma hora não é nada traumático e, se reclama, você é mal-educado.

17. Os espaços onde se prepara comida, em casa ou num restaurante/supermercado, não seguem regras sanitárias suficientes. Regras demais podem (talvez) impedir algumas formas de progresso, mas também previnem doenças completamente evitáveis.

18. Não é comum falar a verdade. Não é dizer que pessoas mentem, mas falam “Ah sim, talvez!” quando simplesmente querem dizer “Não.” Esse comportamento é defendido por quem diz não querer ser grosso, quando a realidade é que é uma falta de comunicação clara. Machuca mais que ser honesto.

19. Zero, absolutamente zero autoconsciência espacial. Parando carros em faixas ativas, ficando na calçada olhando o celular durante a hora de rush, a inabilidade de seguir numa linha reta. Isso é a realidade e é assustadora.

20. Muitas, muitas pessoas estudam Direito e se gabam de que são especialistas em ordem social, quando, na verdade, não possuem entendimento nenhum do que é respeito básico. Não acredita em mim? Peça a alguém formado em Direito para explicar quais direitos merece uma pessoa trans.

21. O problema do lixo é realmente enorme. Claro que é politicamente complicado, mas não faz sentido jogar plástico na rua ou no rio do bairro onde você mora, ou qualquer outro lugar. Se existe um cesto de lixo, pelo menos o use.

22. A gerência de empresas é bem ilógica. Como que um restaurante pode estar aberto apenas 10 horas por semana e não ir à falência? E muitas vezes acho que os gerentes não entendem que o cliente (até aqueles que reclamam e brigam) é a fonte do seu bem-estar.

23. Existe adoração demais por líderes individuais que devem salvar o povo. Seja Lula, Jair Bolsonaro, o Papa, pastores evangélicos, tantas pessoas elevadas à categoria de herói vão vai, inevitavelmente, trair ou falhar.

24. O país é supostamente um estado laico, mas o cristianismo controle quase tudo. E falar que você não acredita em nenhum deus ou espírito invisível? É como falar em chinês aqui. Ninguém te entende.

25. As instituições deixam tudo para você – o cliente, o cidadão, o aluno – fazer. Trazer resultados de exames feitos em laboratório, colocar suas compras em sacos, descobrir quais documentos ELES MESMO precisam. É incrível.

Pontos positivos

1. A cultura é bem leve, e as pessoas normalmente querem te ajudar, porque entendem os estresses do sistema.

2. Depois de ter sido aceito numa comunidade aqui, eles cuidam muito bem de você.

3. Todo mundo prioriza cuidar dos seus corpos. Algumas pessoas acham isso superficial, mas também pode ser muito saudável.

4. Pelo menos na praia pode usar basicamente qualquer roupa (incluindo homens). Como alguém que quer um mundo onde um corpo é só um corpo e não um convite para abuso, a praia brasileira é quase céu para mim.

5. Ao contrário do que você ouve durante inverno, “frio” não é uma coisa que realmente existe no Brasil.

6. Não tem fast food demais. Claro que existe, e é caro, mas a economia de alimento não depende em comida processada.

7. Pessoas respeitam os militares e policiais, mas não os adoram como deuses. Manter segurança pública e defender a pátria amada são importantes (e assuntos polêmicos) mas os responsáveis por fazer isso são seres humanos, com problemas e erros como qualquer pessoa.

8. A saúde mental não é estigmatizada. Em geral, falar “Vou ao psicólogo” é algo normal e positivo.

9. Ainda que machismo exista em basicamente todos lugares, mulheres são reconhecidas como poderosas. É complicado, mas, como os homens machistas dependem de mulheres para fazer quase tudo, eles reconhecem que elas são incrivelmente fortes.

10. A arte (música, museus, danças, pinturas) é um espetáculo. Talvez seja uma consequência de sofrer por tantas injustiças, mas é realmente bonita.

11. Na vida cotidiana, tem muita tolerância às pessoas de várias religiões, crenças etc. Ainda existe muito espaço para melhorar, mas nunca ouvi alguém chamar uma pessoa “terrorista” só porque sua família era da Índia ou um país com maioria muçulmana.

12. A vida social é valorizada, e pessoas não trabalham até a morte. Isso provavelmente contribui para o reconhecimento de que saúde mental é importante.

13. Tem feriados o suficiente. Não é preciso esperar mais que duas semanas para ter um dia extra de lazer.

14. O hino nacional é talvez o mais lindo do mundo, e não se usa em todas reuniões, jogos, e eventos públicos.

15. Açaí. Não precisa explicação.

16. Pessoas falam “tchau” para seu grupo de amigos quando vão embora. Talvez parece algo simples, mas é uma forma boa de respeitar o tempo e presença de outros.

17. Se você tem que faltar o trabalho, um compromisso ou uma aula, o pessoal normalmente entende e não fica grosso. Não lembro nenhuma pessoa gritando comigo quando não mereci, algo que me impressiona muito.

18. Existe muita biodiversidade no país. Seja flora, fauna ou simplesmente a variedade de rios, lagos, desertos etc. O Brasil possui uma grande quantidade de vida.

19. A reação comum é se desculpar quando algo parece esquisito. Às vezes, pode ser até engraçado ver tanta educação em situações que não precisam.

20. Se você está com fome durante um evento social, vai aparecer comida. Não quero ignorar o grande problema da fome no país, mas acho legal a importância de alimento aqui.

21. Nos momentos de estresse, seus amigos e parentes vão estar perto de você. Claro que existem exceções (cada situação é diferente), mas percebi que em geral é meio obrigatório aparecer quando alguém próximo precisa de apoio.

22. Sei que é o estereótipo predominante, mas o Brasil está realmente cheio de pessoas bonitas e praias lindas.

23. Quando você está viajando e conhece outras pessoas do Brasil (especialmente da sua cidade), eles vão ser seus amigos. É como uma comunidade de desconhecidos esperando se encontrar.

24. Até as pessoas sofrendo muito parecem felizes. Pode ver esse otimismo no comportamento de povo (dançando, cantando, brincando) e na história de filme, música, e literatura.

25. Todo mundo reconhece que a vida é breve, mas não significa que não pode ser divertida. (Tempo)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s