Sobre Reforma Política: “Mudar em 2018, pelo menos o horário eleitoral gratuito”

Artigo de Ney Lopes, publicado no Diário do Poder, editado em Brasília, DF.

Faltam praticamente dois meses para que sejam conhecidas as mudanças na legislação eleitoral, com aplicação em 2018.

Antecipa-se, mais uma vez, a frustração geral, em relação a inovações capazes de depurar o esfacelado sistema eleitoral, partidário e político brasileiro.

Teremos mais uma “reforma curativo” à base de “band-aid” e mercúrio cromo.

Inexplicável (e criminosa) a omissão congressual.

A estratégia é sempre a mesma: “levar com a barriga”, até a aproximação da data fatal e, em regime de urgência, aprovar regras de conveniência dos atuais parlamentares.

De acordo com o artigo 16 da Constituição Federal, “a lei que alterar o processo eleitoral só entrará em vigor um ano após a sua promulgação”.

Esse prazo de um ano significaria a segurança jurídica, que permitiria ao cidadão ter uma expectativa confiável, quanto às perspectivas do ato de votar.

O TSE aprovará o Calendário das Eleições de 2018, no segundo semestre de 2017, contendo as regras editadas pelo Tribunal.

Tradicionalmente, diante da “omissão” do Congresso e dos governos, o Tribunal Superior Eleitoral define a maior parte do processo eleitoral, em nome do chamado “poder regulamentar”.

Na falta de limites, sobretudo constitucionais, esse poder normativo da justiça eleitoral pode em alguns casos criar regras, ferindo até o principio da legalidade.

Mas, não há o que fazer. Tem sido sempre assim.

Pelo que se conhece das propostas em tramitação faltarão os avanços necessários e significativos na legislação política, eleitoral e partidária.

O autor do artigo ousa colocar em debate, numa tentativa de apreciação pelo Congresso Nacional, a sugestão de reformulação do horário eleitoral gratuito.

O horário eleitoral gratuito no Brasil tem sido instrumento artificial. Os candidatos são produzidos. despersonalizam-se e transformam-se em autômatos

Seguem a orientação dos marqueteiros, considerados semideuses, com a virtude sobrenatural de conhecer previamente, o que o povo quer ouvir.

Se esses “marqueteiros” tivessem tal dom, seriam eles próprios os candidatos.

Sempre defendi que a legislação eleitoral deveria transformar o horário gratuito em debates entre os candidatos.

Isso permitiria ao eleitor conhecer os mais capazes, eliminar a mediocridade dos despreparados, vazios, sem ideias e propostas viáveis.

Como deputado federal cheguei a apresentar projetos de lei – adormecidos na Câmara dos Deputados –, que transformariam parte do horário eleitoral, em debates permanentes.

O tempo seria igual para os candidatos.

A justiça eleitoral coordenaria a escolha dos nomes, seleção dos temas, tudo entregue a uma consultoria jornalística contratada para esse fim, com formato de produção totalmente jornalística (perguntas desafiadoras), visando atrair o interesse do telespectador e do ouvinte.

Os mais famosos debates da História ocorreram nos Estados Unidos.

Em 1858, Abraham Lincoln e Stephen A. Douglas reuniram-se em sete ocasiões, para discutir propostas por três horas.

Anos depois, os debates eram realizados no rádio.

Em 1960, John Kennedy e Richard Nixon protagonizaram o primeiro debate presidencial transmitido pela TV.

Em 1980, Reagan e Carter se enfrentaram também ao vivo.

Kennedy e Reagan ganharam as eleições, em razão de terem sido vitoriosos nos debates.

A Inglaterra inovou e adota debates, com recorde de audiência

Diante do excelente desempenho no debate do liberal democrata, Nick Clegg, de 43 anos, ele obteve expressiva votação e integrou o gabinete do primeiro ministro David Cameron.

Até então, o destaque nas eleições inglesas era dos dois partidos tradicionais – trabalhistas e conservadores.

A inovação engrandeceu a democracia e serve de experiência para o mundo.

Se ainda for possível incluir na base legal da eleição de 2018 terá papel educativo relevante à mudança do horário eleitoral gratuito e a sua transformação em debate entre os candidatos, sobretudo majoritários.

Daria chance do eleitor melhor conhecer os partidos, as propostas e os candidatos e, sobretudo, auxiliaria os indecisos.

Essa é uma sugestão que, com certeza, contribuiria para a estabilidade da democracia brasileira.

Para ler no site ACESSE: http://zip.net/bmtMfz

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s