Palocci relata que Lula distribuía propina dentro do Palácio da Alvorada

Leia outras notícias em Cláudio Humberto: http://bit.ly/1EgxbFr

A carta de desfiliação do PT de Antonio Palocci, poderoso ex-ministro dos governos Lula e Dilma, é possivelmente o documento mais contundente para o partido desde a deflagração da Lava Jato.

Num desabafo aparentemente indignado, o mais novo delator do maior esquema de corrupção da História detalha os motivos pelos quais decidiu se desfiliar do Partido dos Trabalhadores, após “decidir falar a verdade”.

Palocci fornece o elo definitivo entre Dilma, Lula e o esquema de corrupção da Petrobras que abasteceu os cofres (e os bolsos) dos partidos.

Palocci revela a intimidade do comando do esquema de corrupção no governo, e dá detalhes como o que chama de “fatídica reunião” da qual participou na biblioteca do Palácio da Alvorada, residência da Presidência, com Dilma e Sérgio Gabrielli (ex-presidente da Petrobras), onde o ex-presidente Lula “encomendou as sondas e as propinas”.

As “sondas” se referem aos contratos bilionários de plataformas petrolíferas e sondas de perfuração da Petrobras, que são alvo da investigação da Lava Jato desde as primeiras fases. O ex-ministro até prevê que Dilma e o ex-presidente da Petrobras “dirão” sobre o espisódio.

Para Palocci, que ficou conhecido como homem-forte dos governos Lula, autoridade que carregou para os governos Dilma, o esquema é tão inegável que até mesmo “o próprio Lula irá confirmar tudo isso, como chegou a fazer no ‘mensalão'”.

O ‘pior da política’

Palocci descreve a progressão da corrupção do ex-presidente Lula como “desmonte moral”. Ele destaca o “choque de ter visto Lula sucumbir ao que há de pior na política” e “dissociar-se definitivamente do menino retirante”.

‘Leniência do PT’; ideia de Vaccari na cadeia

Antonio Palocci revela que chegou a discutir com o ex-presidente Lula um plano do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, que também foi preso na Lava Jato, para que o partido fizesse um acordo de leniência com as autoridades da Lava Jato; uma espécie de ‘mea culpa’ que garantiria sobrevida ao partido, além de revelar as entranhas do sistema político-eleitoral.

A discussão, que teria sido “informal” e “há pouco mais de um ano” contou com a presença do então presidente do PT, Rui Falcão, mensageiro de Vaccari, que à época já estava preso pela Polícia Federal.

Em junho de 2016, foi noticiado que o ex-tesoureiro petista negociava seu próprio acordo de delação premiada.

Sozinho, nunca

Ao encerrar a carta onde oferece sua filiação como um ministro oferece o cargo ao presidente, Palocci admite que em todos os momentos, até “os piores de ilicitude”, “nunca estive sozinho”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s