Setor imobiliário se mobiliza para evitar devolução de dinheiro em “rescisão” de contrato

Direto da fonte

O setor imobiliário está se organizando para evitar mudanças na lei 4.591 – que rege, entre outras, o “distrato” para devolução de imóveis comprados na planta.

Antes um fato fora da curva, a devolução de imóveis novos tem aumentado, e muito, com a crise econômica.

Principalmente no caso do Minha Casa Minha Vida, que foi a menina dos olhos dos governo PT.

Fica como está Para o veterano José Isaac Perez, do Grupo Multiplan, a lei atual, que é de 1965, funciona bem.

“Querem mudá-la por uma causa social. Querem a devolução integral do dinheiro caso o comprador não consiga pagar o que comprou. Isso vai quebrar todo mundo”.

Com mais de 2 milhões de metros quadrados construídos, o grupo de Perez tem menos de 10% de seus investimentos nessa área – o restante está em shoppings.

“A mudança nos afeta pouco. Mas… e o Brasil? Se querem mudar, mudem os programas como o Minha Casa – e deixem isso claro”, adverte o empresário.

Fica como  Segundo ele, se a construção civil não andar, o País não anda.

Ele defende a liberdade entre comprador e vendedor:

“Não há mais espaço para um Estado tutelador”. Um apartamento financiamento, diz ele, não é uma geladeira ou carro.

“Se eu construo um edifício, vendo tudo e metade dos compradores devolve o imóvel, eu quebro”.

Temer avalia nome de Minas Gerais para ocupar Ministério da Justiça

Mônica Bergamo

O presidente Michel Temer segue avaliando nomes para o Ministério da Justiça. Nos dois últimos dias, em conversas em seu gabinete e em SP, o presidente afirmou estar sensível ao pleito de parlamentares de Minas Gerais, que querem indicar um conterrâneo para o cargo com o argumento de que o Estado está mal representado no governo.

QUEIJO MINAS Temer fez elogios a um mineiro, Carlos Velloso, 81, ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) que até o senador Aécio Neves (PSDB-MG) já tinha indicado para o cargo ainda quando o governo era interino.

Mas há dúvidas se ele suportaria um “fardo tão pesado”, nas palavras de um conselheiro de Temer.

Parlamentares mineiros indicaram um colega, o deputado Rodrigo Pacheco, do PMDB, para o cargo.

MAIS UM No meio da semana, Temer disse que a escolha seria “pessoal” e consultou líderes de partido sobre o nome do advogado Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, seu amigo de velha data.

Um ex-presidente procurado: Peru oferece recompensa de 30.000 dólares por AlejandroToledo

O juiz Richard Concepción Carhuancho, titular do Primeiro Tribunal de Investigação Preparatória Nacional do Peru, determinou 18 meses de prisão preventiva para o ex-presidente Alejandro Toledo Manrique.

A solicitação foi apresentada pelo promotor Hamilton Castro, líder da equipe especial encarregada de investigar as ramificações do Lava Jato no Peru.

O Governo peruano acrescentou na sexta-feira o ex-presidente à lista dos criminosos mais procurados do Ministério do Interior e ofereceu uma recompensa de 30.000 dólares (93 mil reais) por informações sobre seu paradeiro.

O ministro do Interior, Carlos Basombrío informou que Toledo está fora do país, provavelmente na França, e não tem nenhuma intenção de voltar ao Peru.

Criminoso fez ameaças de divulgar áudio, que “jogaria lama” sobre Temer

Um hacker tentou extorquir dinheiro da primeira-dama, Marcela Temer, em 2016, sob ameaça de que jogaria “na lama” o então vice-presidente Michel Temer.

O criminoso, condenado a cinco anos e dez meses de prisão, alude a conversa entre Marcela e o irmão, Karlo — ela cita assessor do marido que faz a “parte baixo nível”.

Os dados do celular dela haviam sido furtados.

Uma vitória para nossa economia: agência de risco internacional S&P eleva a nota da Petrobrás

A agência de classificação de risco Standard & Poor’s elevou a nota da Petrobrás de B+ para BB- (três níveis abaixo do grau de investimento), com perspectiva estável.

Ao justificar a mudança, a S&P ressaltou a importância da nova política dos combustíveis da estatal, que prevê revisão mensal no preço da gasolina e do óleo diesel com base nas cotações internacionais dos derivados de petróleo.

Lobão, Presidente da CCJ do Senado defende anistia à caixa 2

Investigado na Lava Jato, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Edison Lobão (PMDB-MA), disse ao Estado que a tese de investigadores de que pode haver corrupção mesmo nas doações registradas pela Justiça Eleitoral é equivocada.

Ele considera que o Congresso deve aprovar projeto para esclarecer que toda prestação de contas aprovada pelo Tribunal Superior Eleitoral não pode ser considerada ilegal, inclusive nas doações ocorridas no passado.

Ele defende ainda mudanças na lei da delação premiada.

Segundo Lobão, os acordos só poderiam ser firmados de maneira espontânea e com o delator em liberdade.

“Nós, que somos investigados e delatados, vivemos esse estado de constrangimento”, afirma.

“O delator passa a ser figura importante e livre.”

O senador também disse que a Lava Jato virou “inquisição global”. “Já está a Suíça com interesse no assunto, os EUA, a Europa, enfim, não se sabe para onde vai.

Virou um inquérito universal.”