Propaganda eleitoral fica proibida a partir da noite deste sábado, 1 de outubro

A partir das 22h deste sábado, estão proibidas propagandas eleitorais tais como qualquer agenda dos candidatos a prefeito e vereador que influenciem o voto, como panfletagem, o uso de auto-falantes, amplificadores e carro de som, caminhada, carreata e passeata, conforme prevê a lei 9.054 do Código Eleitoral.

O juiz Marcello Rubioli, responsável pela fiscalização de propaganda do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ), explica que a norma garante ao eleitor a “livre consciência e intenção de voto” para as escolhas que tomará na urna.

— A lei criminaliza quaisquer tentativas de influenciar o eleitor no momento do voto – disse Rubioli.

O magistrado lembra que a lei condena práticas que configuram crime de boca de urna, vetando ações que abordam diretamente o eleitor, como constrangê-lo pedindo para que diga em quem vai votar.

A abordagem por claque (grupo de pessoas que promove um candidato), o transporte de pessoas para o local de votação, pedir ou pagar pelo voto e exibir bandeiras com o objetivo de influenciar outras pessoas também são práticas criminosas.

— O crime de boca de urna implica na prisão dos envolvidos e cassação da candidatura ou mandato do candidato – finalizou o juiz. (Globo)

Dirigente do IBOPE adverte que pesquisas devem ter cuidado: eleitor decidirá em cima da hora

Aos 62 anos, Carlos Augusto Montenegro ainda é a cara do Ibope, o mais importante instituto de pesquisas do Brasil.

Embora afastado das funções executivas da empresa, o economista carioca está atento à inédita queda da contratação dos seus serviços – e de concorrentes – para as eleições 2016.

Nesta conversa com VEJA, Montenegro  afirma que o eleitor vai decidir o voto nas últimas 48 horas antes da eleição:

Como a recessão e a proibição de doações empresariais estão afetando o mercado de pesquisas?

Os pedidos de pesquisas caíram mais de 50% este ano.

Partidos, candidatos avulsos e empresas em geral eram os nossos clientes preferenciais.

A sorte do Ibope é que 70% do nosso faturamento vem das medições de audiência que fazemos das TVs.

Outros institutos de pesquisa que não tenham levantamentos a fazer fora da política vão ter problemas certamente.

O desinteresse da população pelas eleições torna mais difícil o trabalho dos institutos de pesquisa?

Sim, mas como o voto é obrigatório facilita.

Acho que as pesquisas têm que tomar muito cuidado porque as 48 últimas horas nesta campanha serão cruciais. As pessoas vão decidir o voto em cima da hora.

A rejeição alta da classe política também torna ainda mais imprevisíveis os resultados?

Isso nem tanto porque todos estão sendo rejeitados.

Quando um deles é vaiado no Maracanã, a reação é para toda a classe política.

De fato, todos têm algum telhado de vidro hoje.

A internet superou a TV em uma campanha? Ainda não. A cultura de TV no Brasil ainda é muito forte.

As inserções durante a programação e a cobertura jornalística do dia dos candidatos nas emissoras ainda são fundamentais.

Força-tarefa da Lava Jato intensifica negociações para delação da Odebrecht

Mônica Bergamo

Integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato intensificaram as negociações para a finalização da delação premiada da Odebrecht. Depoimentos foram colhidos durante toda a semana passada. O ritmo deve se manter na próxima.

FOGO AMIGO – Há entre pessoas que participam do processo a nítida impressão de que é preciso correr contra o relógio para evitar que pressões externas e divisões internas “melem” a delação.

Policiais federais, por exemplo, têm dito que ela já não seria tão necessária, pois as investigações estariam bem avançadas.

FOGO AMIGO 2 – A delação da Odebrecht é considerada a delação das delações, com potencial de atingir figuras de primeiro time de todos os partidos.

Na avaliação de um negociador favorável às tratativas com a empreiteira, não faltam “inimigos” para esse acordo.

Jornalista potiguar faz previsão para o segundo turno na cidade de SP

O conterrâneo Gaudêncio Torquato, amigo pessoal e influente junto ao presidente Temer, faz comentário sobre a eleição de SP, divulgada hoje, 1, na Folha.

Amigo de Temer e um de seus principais conselheiros, Gaudêncio Torquato enterra a possibilidade de a candidata do PMDB, Marta Suplicy, ir para o segundo turno em São Paulo.

“Minha projeção é Doria e Russomano.”

Vermelhou – Ele critica a campanha da peemedebista por não ter feito o que chama de “massacre do 15” — número do partido.

“Ela continua sendo aquela mulher de vermelho com o carimbo do 13 na testa”, diz Torquato.

Em Mossoró, RN, fala-se da “herança maldita” de quase R$ 200 milhões deixada para o eleito

O jornalista César Santos, do Jornal de Fato, de Mossoró, comenta hoje, 1,  em sua  coluna que “O futuro prefeito de Mossoró, que será eleito neste domingo, 2 de outubro, vai herdar uma herança maldita do cofre público municipal.

Os números que escapam do núcleo financeiro da atual gestão são assustadores.

Falam em R$ 150 milhões, na melhor das hipóteses.

Os mais pessimistas apostam que se aproximará da casa dos 200 milhões.

Melhor seria que essas previsões fossem frustradas; que o desequilíbrio nas contas municipais fossem bem menor; que o cofre não tivesse em situação tão grave.

No entanto, não há motivo para alimentar esperança.

O cofre está quebrado mesmo, literalmente quebrado”